Follow by Email

sábado, 3 de agosto de 2013

Escola Cidadã

Na perspectiva de uma educação para e pela cidadania (GADOTTI, 2008) deve haver maior democratização no acesso, na permanência e na gestão, tanto das instituições quanto por parte do Estado. O movimento Escola Cidadã, por exemplo, surgiu na década de 1980 e pressupõe não só a consciência dos direitos e dos deveres, como o exercício da democracia, sendo considerados os direitos civis, sociais e políticos. Do ponto de vista da concepção plena de cidadania: cidadania política, cidadania social, cidadania econômica, cidadania civil e cidadania intercultural.
O educador Paulo Freire acreditava na concepção de Escola Cidadã como uma proposta de renovação da educação para e pela cidadania e afirmava que “o respeito à autonomia e à dignidade de cada um é um imperativo ético e não um favor que podemos ou não conceder uns aos outros” (FREIRE, 2000).
Crédito da
imagem: www.skoob.com.br

A concepção de Escola Cidadã foi inspirada nas Citizenship Schools, nos Estados Unidos da América da década de 1930, iniciativa de Myles Horton e Esau Jenkins que tinham o intuito de alfabetizar os negros para formar educadores e lideranças negras e, propiciar por meio do voto, a participação política dessa raça até então segregada. Este exemplo serve para contextualizar a iniciativa e a luta de pessoas e/ou grupos negros ao longo da História em busca de possibilidades mais igualitárias de inserção social, sendo a educação, um meio estratégico.
Educação de qualidade tem sido a bandeira de luta de movimentos sociais, organizações da sociedade civil, governos em suas diferentes esferas, gestores, parlamentares e todos os atores que lidam direta ou indiretamente com a questão educacional. No entanto, sabe-se que qualidade educacional é um conceito polissêmico, em disputa, ainda que essa disputa seja timidamente explicitada (CROSO e SOUZA, 2007).
Após a 2ª Guerra Mundial, o debate sobre políticas de ação afirmativa ganhou força no cenário internacional, pois passou-se a uma nova reflexão sobre as questões sociais, especialmente, o racismo.

Referências:
CROSO, Camilla e SOUZA, Ana Lúcia Silva (coord.) Igualdade das relações étnico-raciais na escola: possibilidades e desafios para a implementação da Lei nº 10.639/2003. São Paulo, 2007: Peirópolis.
FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. Col. Leitura. 15 ed. São Paulo, 2000: Paz e Terra.
GADOTTI, Moacir. Escola Cidadã. Col. Questões da nossa época. São Paulo, 2003: Cortez.




Nenhum comentário:

Postar um comentário